BOM JARDIM

O núcleo de Bom Jardim formou-se com a implantação da estrada de ferro Cantagalo, tendo em seguida passado por uma fase de grande desenvolvimento em virtude da maior facilidade de comunicação. Dessa forma, suplantou a localidade de São José do Ribeirão e constituiu-se sede do município de Bom Jardim, criado em 1892.

O município evoluiu como importante centro agrícola serrano, tendo sido um dos maiores produtores de café no período que se seguiu à sua emancipação.

Bom Jardim é recomendada para quem procura por turismo rural, ecológico e por atividades radicais e naturais. Maior produtor de flores e segundo maior produtor de café do Estado, oferece uma excelente opção de entretenimento rural.

A rampa da Pedra da Simpatia, por exemplo, oferece condições geográficas propícias para a prática de voo livre e parapente e as cavernas das Furnas do Mão de Luva, uma ótima experiência de aventura histórica. No pico da Pedra Aguda e na Pedra de Santa Tereza é possível realizar caminhadas e escaladas dos mais diferentes níveis de dificuldade.

Quem busca pela história do município pode conhecer construções como o Galpão Cultural, o Museu Fazenda Bom Jardim e o Cine Teatro Bom Jardim. Neles, os visitantes podem conhecer a memória cultural do Município. Outro destaque é a Paróquia São José, a mais antiga da Cidade, datada de 1888.

CARMO

Carmo é famosa por suas igrejas do século XIX e pelas cachoeiras. Uma das suas principais atrações é a Igreja Matriz de Nossa Senhora do Carmo, construída em 1876, e tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional em 1964. Para quem aprecia o turismo religioso, também é possível conhecer igrejas como Nosso Senhor dos Passos, São Francisco de Salles, Nossa Senhora da Conceição e a Nossa Senhora das Dores.

Já para os que apreciam o turismo ecológico, Carmo oferece cachoeiras, represas e os rios Quilombo e Paquequer. A Cachoeira da Prata, a Serra da Prata e a Ilha dos Pombos estão entre os pontos mais famosos. Do Mirante da Boa Ideia tem-se uma bela vista. O acesso fica a 2 km do centro da Cidade e deve ser percorrido com o auxílio de guias de turismo.

No Centro de Tradições é possível encontrar produtos como doces caseiros, defumados, artesanato, e bebidas. O destaque fica para a “Cachaça da Quinta”, considerada a melhor bebida destilada do mundo em um concurso realizado em Bruxelas, na Bélgica. A bebida é produzida na Fazenda da Quinta desde 1923 e é elaborada em três versões, todas com certificado de produto orgânico emitido pelo Instituto Nacional de Tecnologia. As grandes e tradicionais festas atraem diversos visitantes para a Cidade. Folia de Reis, Encontro de Bandas e Fanfarras, festas folclóricas, entre outras, fazem parte do calendário cultural de Carmo.

CONCEIÇÃO DE MACABU

Habitada por povos indígenas, como os Goitacás, os Sacurus e os Coroados, as primeiras notícias sobre Conceição de Macabu remontam ao século XVII, quando os pioneiros da exploração do Norte Fluminense, os Sete Capitães, recebem as terras do município em doação. Dessa fase inicial da História de Conceição de Macabu, em princípios do século XIX, além do surgimento das primeiras localidades, registra-se o Quilombo do Carukango, um dos maiores do Estado e a visita do naturalista inglês Charles Darwin, que inclusive, ficou hospedado em três fazendas do município, durante uma semana, desenvolvendo diversas pesquisas. Darwin, crítico do Brasil, ao contrário, teceu muitos elogios às terras, pessoas e até ao tratamento dado aos escravos em Macabu.

Café, açúcar e madeiras de lei trouxeram progresso e o vilarejo de Nossa Senhora da Conceição  tornou-se a Freguesia (distrito) de Nossa Senhora da Conceição de Macabu em 1855.

A freguesia tornou-se uma das mais prósperas da região, fato coroado com a construção do Canal Campos-Macaé (1872) e a chegada do ramal ferroviário em 1878, mas, tendo como grande culminância, a elevação da mesma a condição de Vila de Macabu (mesmo que município independente), em 1891.

Terra de cachoeiras, de festas, de personalidades, como a cantora Ângela Maria, nascida aqui em 1928, Conceição de Macabu oferece sua paisagem urbana e natural, bem como suas Histórias e lendas aos visitantes, lembrando que o apelido que nos foi dado por Burle-Marx, de “Cidade Simpatia”, não foi à toa.

DUAS BARRAS

O município de Duas Barras constituiu-se como território desmembrado do município de Cantagalo. O primeiro núcleo de população formou-se em princípios do século XIX, na localidade denominada Fazenda Tapera, pertencente a um certo Capitão Silveira, onde foi erguida uma capela, em louvor a Nossa Senhora da Conceição. No início, formavam a aglomeração apenas ranchos e casas de palha ou pau-a-pique, destinados a oferecer abrigo a boiadeiros e viajantes. Em final de 1836, estando a população crescida, foi dado a seu núcleo a categoria de curato. Vinte anos mais tarde, devido ao progresso verificado na região, muito em função da produção de café e da colonização suíça na região, foi a localidade elevada à categoria de freguesia de Nossa Senhora da Conceição de Duas Barras do Rio Negro, tendo por sede a povoação de Tapera. A denominação de Duas Barras provém do fato de a cidade estar localizada entre as barras formadas pela junção do Rio Negro com o Rio Resende e, à frente, com o Córrego do Baú. A cidade localiza-se num sítio formado por áreas planas e vales, estando cercada por relevo acidentado.

A cidade onde nasceu Martinho da Vila homenageia o sambista com uma estátua no Mirante Vale Encantado. Rico em arte e História, o centro reúne 80 casarões centenários, a Igreja Matriz Nossa Senhora da Conceição e espaços culturais. Cavalgada, rapel, motocross e pesca estão entre os esportes praticados em áreas como as cachoeiras Alta e Pedra Branca. Outro ponto de destaque é a gastronomia, com os festivais do Aipim com Torresmo e do Bacalhau.

SÃO SEBASTIÃO DO ALTO

Conhecido como a Mesopotâmia Fluminense, o município de São Sebastião do Alto possui um clima agradável e uma população acolhedora.

Sua principal singularidade é a harmonia em sua configuração geográfica, formada pelas serras de São Sebastião e do Deus me Livre, entre os rios Grande e Negro, até sua confluência no rio Dois Rios. Apresenta em suas terras uma fertilidade uniforme, configurando uma insólita mesopotâmia no território fluminense.

O céu acolhedor o protege entre montanhas, rios e vales. Uma altitude bem expressiva dá-nos a impressão de uma linda paisagem emoldurada pela própria natureza.

SUMIDOURO

Apropriada para o ciclo turismo, turismo de aventura, turismo rural e ecoturismo, Sumidouro, cidade da região Serrana Fluminense, apresenta o bioma da Mata Atlântica. É rico em visual com belas paisagens assinaladas por montanhas graníticas, cavernas e um exclusivo portal natural de acesso à cidade, tudo favorecendo a prática de esportes para amantes da natureza, tais como vôo livre e trilheiros.

O município também é rico em quedas d'água, com destaque para a maior queda-livre do Estado, a Cascata Conde D'eu. Precioso é o legado histórico, com ênfase nos viadutos, túneis e fazendas do período cafeeiro, bem como igrejas, capelas e casarões do século XIX.

A Casa de Cultura Abel de Jesus Gonçalves, funciona no espaço chamado pelos moradores de Casarão, erguida em uma antiga fazenda de café do século XIX. Ali são realizados eventos culturais que incluem shows, feira do artesanato e recreação infantil. O espaço abriga também o centro de documentação histórica da cidade desde 1991. Em 2008, o prédio passou por uma reforma, realizada pelo grupo de voluntários Amigos da Cultura de Sumidouro, com doações da comunidade para abrigar a Sala de Cinema João Jardim.

Uma expedição paleontológica à região serrana do Rio de Janeiro, encontrou restos de um gigante da Era do Gelo - o primeiro fóssil de vertebrado a aparecer no estado após 25 anos e o primeiro a ser achado numa caverna. Trata-se de um Toxodon platensis, um grande herbívoro que lembra os hipopótamos modernos e que desapareceu da América do Sul há cerca de 10 mil anos.

Sumidouro é uma cidade dedicada ao desenvolvimento sustentável do Turismo, temos boas práticas para nos credenciar como um destino turístico de credibilidade.

SANTA MARIA MADALENA

A terras da cidade de Santa Maria Madalena foram descobertas em 1840 e desbravadas nesse mesmo ano pelo português Manoel Teixeira Portugal, que chegou até ao vale onde se situa a Igreja Matriz.

Tempos depois o mateiro José Vicente, perseguindo escravos foragidos, se apossou, armando um rancho, no mesmo local onde já estava o português Manoel Teixeira Portugal. E a história de Santa Maria Madalena começa quando José Vicente troca sua posse das terras com o padre aposentado, Francisco Xavier Frouthé, por uma belíssima espingarda de fabricação Suíça. Esse fato tem todo jeito de lenda no qual só se sabe através da oralidade.

Em 1855 as terras ganharam a categoria de vila e em 1861, foram desmembradas de Cantagalo sendo anexadas a ela as freguesias de São Francisco de Paula e São Sebastião do Alto. Destacou-se na luta pela elevação a município o coronel Braz Fernandes Carneiro Viana, cunhado do Duque de Caxias. Só no ano de 1862 Santa Maria Madalena passou à categoria de cidade.

Com cerca de dez mil habitantes, é uma das cidades pioneiras na cultura do café no estado. Com diversos atrativos naturais, Santa Maria Madalena é uma cidade cercada de matas e com estilo colonial. Tem como uma de suas mais importantes reservas naturais o Parque Estadual do Desengano, sendo também a terra da saudosa Dercy Gonçalves.

Escolhida como cidade da geologia do Estado do Rio de Janeiro por suas formações geológicas encantadoras, com 632 metros de altitude, possui clima tropical, favorecendo atividades de lazer durante todo ano. A cidade está na faixa climática de 3° melhor clima do Brasil, de acordo com os padrões da Organização Mundial da Saúde e oferece diversas oportunidades para o ecoturismo e esportes na natureza. Ar puro, trilhas, montanhas e cachoeiras, unem-se a uma comunidade hospitaleira, pousadas e hotéis aconchegantes e de bom atendimento, comida saborosa e aquele clima agradável para descanso e prática de esportes em meio à natureza.

MACUCO

Conheça Macuco, Capital Estadual do Leite, o mais novo destino do Turismo Cultural Rural da Região.

Localizada na Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro, tendo como principal acesso à rodovia RJ 116, o Município de Macuco apresenta em seu Calendário Cultural diversas atrações pontuais, dentre elas o tradicional Festival de Folias de Reis (Janeiro), o Melhor São João da Região (Junho) a Exposição Agropecuária (Setembro), com vasta programação na área Artística e o tradicional Concurso Leiteiro que Movimenta a Capital Estadual do Leite.

A acolhedora Cidade de Macuco apresenta um incrível roteiro para o Turismo Cultural e Rural. Das antigas Fazendas de Café a moderna concepção de Ecoturismo, respeitando a natureza e o modo de vida local.

Nascida da antiga Vila Macuco, a cidade guarda momentos históricos únicos e surpreendentes. As fazendas locais abrem suas portas trazendo ao visitante a sensação da vida rural.

Um deslumbre entre casarões, senzalas, currais, estábulos, terreiros de café e campos de plantio diversificados, com estilos arquitetônicos em linhas distintas, variando entre características inglesas, portuguesas e espanholas, ligadas a rusticidade da vida rural, e aos hábitos trazidos por imigrantes italianos e suíços. 

É uma chance de observar e até participar do dia-a-dia das famílias locais em seu trato com a agricultura e a pecuária.

As Reservas da Mata Atlântica, ainda intactas, além de ser uma enorme fonte para pesquisas, criam oportunidades para passeios ecológicos inigualáveis.

Há trilhas que podem ser feitas a pé, a cavalo ou de bicicleta, e para os apreciadores do turismo de aventura, há um grande potencial para o arvorismo, canoagem, motocross, e outros esportes que possam ser executados em “ambiente natural “ e de maneira sustentável.

Recentemente foi inaugurada na praça central da cidade uma réplica da locomotiva em tamanho real, que resgata um pouco de nossa história e que tanto alavancou o desenvolvimento da nossa Região.

Ambientes rústicos, casarões ou ruínas de antigas edificações, se tornam locais perfeitos para o visitante apreciar a deliciosa gastronomia local ao som de uma boa música, ou simplesmente ao som da nossa natureza sem igual.

Venha conhecer Macuco, e se encantar com a Capital Estadual do Leite.

.....